o melhor celular de 2021

Qual é o melhor celular de 2021? Veja a lista dos Top 10

Hoje, Celular é um equipamento que ninguém vive sem, quer estar por dentro de todas as inovações do mercado? Nos últimos anos já tivemos muitos avanços nas tecnologias dos dispositivos móveis, como desbloqueio facial ou por digital, câmeras cada vez mais potentes e processadores super rápidos. A Forcetech fez uma lista para você saber qual é o melhor celular. Confira agora!

Asus ZenFone 6

O Zenfone 6 é um aparelho de alto desempenho da Asus. Ele foi muito esperado por apresentar características inovadoras e abrangentes.

Um dos grandes diferenciais e aparelho é a câmera flip. Esse mecanismo permite que as câmeras traseiras sejam usadas para selfies e vídeos frontais. A lente secundária é uma ultrawide de 13MP e abertura f/2.4, e a principal conta com 48MP e abertura f/1.8. a menos abertura permite uma maior nitidez de detalhes, e resolução de vídeos em 4K.

Claro que um mecanismo assim traria algumas consequências. O flip é sensível e não fica protegido por nada mesmo com a capinha. O aparelho possui sensores para fechar a câmera em caso de queda ou não abrir se a parte traseira estiver obstruída. A câmera também tem a opção de fazer um vídeo flip que é interessante.

O design do ZenFone 6 é bem característico. Além da câmera flip que traz um diferencial, ele tem a traseira é de vidro e a borda é de alumínio que o deixa bonito e resistente. A estrutura da câmera flip também é de alumínio para mais durabilidade e promete que possa subir e descer 100 mil vezes, se for usada corretamente (não é recomendado subir a câmera manualmente).

Como o aparelho não possui câmera frontal, o aproveitamento de tela é bem grande. O display tem 6,4” e é de IPS com resolução Full HD. Está longe de ser ruim, mas fica pra trás de aparelhos com tecnologia OLED. A versão Android Zen UI permite muitos ajustes como brilho e contraste com o Splendid.

O ZenFone 6 tem um sistema com uma cara bem diferente já que a Asus deu um “limpa” nos bloatwares e acrescentou funções bem uteis como poder usar o assistente de áudio para dar uma tunada na música, nos alto falantes e no fone de ouvido. Também dá pra usar o Game Genie para gravar a tela e fazer streaming, definir diferentes opções de gestos, tirar print screens com facilidade, duplicar aplicativos de comunicação, e usar o Optiflex para acelerar o processador do aparelho.

E não é pra menos, o smartphone ZenFone 6 conta com o Snapdragon 855, e está disponível em versões de 6GB de RAM e 128GB de memória ou 8GB de RAM e 256GB de memória.

A bateria tem capacidade de 5000mAh. Como o sistema é bem leve e a resolução é Full HD o consumo é baixo. É vantajoso também por vir com um carregador de 18W Quick Charge 4.0 que faz com que o carregamento seja bem mais rápido.

O preço desse aparelho é em média de R$3.100 o que é bem em conta se considerar todas as qualidades de um celular de alto desempenho.

Xiaomi Pocophone F2 Pro

A linha POCO da Xiaomi tinha, de início, a intensão de apresentar aparelhos com alto desempenho, mas com preços mais baixos o que implicava em estrutura, câmeras e tela mais simples e até a retirada de algumas funções. O Pocophone F2 Pro veio atender as novas demandas com um aparelho completo e, ainda assim, mais barato.

Primeiramente vamos falar sobre a premissa principal da POCO, processador. O Pocophone F2 está equipado com um Snapdragon 865 que é o chip usado na maioria dos celulares de alto nível atualmente. A inovação desse aparelho é que ele for desenvolvido com um sistema de resfriamento avançado que permite o uso mais prolongado com mais desempenho, principalmente em jogos.

A Liquid Cooling Technology 2.0 usa um tubo de refrigeração com gás líquido para distribuir o ar quente de modo uniforme. O aparelho está disponível em versões de 6 GB + 128 GB ou 8GB + 256GB. Aliado ao potente processador temos a bateria de 4780 mAh e suporte para carregamento ultra turbo de 33W.

Mas esse celular não é só desempenho. As câmeras também são impressionantes. Na parte traseira temos um conjunto de quatro câmeras, tendo a principal de 64MP e abertura de f/1.9 que permite fotos boas até em pouca luz; uma macro de 5MP; ume ultrawide de 13 MP e 123° de ângulo de visão e um sensor de profundidade com 2MP. Esse conjunto está distribuído em forma se X numa placa circular na traseira do celular.

A câmera frontal tem 20MP. É pop-up o que beneficia no aproveitamento de tela que chega a 92,7%, e tem um acionamento bem rápido levantando em 0,58 segundo.

A tela é bem grande com 6,67” com resolução Full HD+. O display é Super AMOLED que permite cores mais vivas, visualização em ambientes com muito sol e um brilho máximo de 800 nits (pico de 1.200 nits), e é compatível com HDR10+. O desempenho em jogos é ainda melhor se considerarmos a taxa de resposta ao toque de 180 Hz. o material do corpo é alumínio e vidro com proteção Corning Gorilla Glass 5 e resistência IP53 à água e poeira.

Esse celular pode ser encontrado por 3.200 reais. Pode parecer muito, mas se compararmos com o preço de outros smarphones veremos uma diferença. Porque ele entrega o que promete e entrega muito mais do que esperávamos da POCO.

Apple iPhone 11 Pro Max

Esse sem dúvida é o mais completo aparelho da Apple. Ele promete um processador bem mais avançado e câmeras de alto desempenho. A tela é uma novidade nos iPhones. Ela é OLED com 6,5”, resolução de 1242 x 2688 a 458ppi.

Os pretos intensos e a incrível luminosidade tornam as experiências assistindo vídeos ou jogando é incrível. O acabamento é em aço inoxidável e vidro fosco, que dão maior resistência para o aparelho além de deixa-lo bem bonito.

A bateria também surpreende muito, são 3969mAh que duram um dia com folga. Nesse modelo o carregador é turbo com 18W. Escolher uma bateria com mais capacidade acabou deixando ele um celular mais pesado, mas é por uma boa causa.

O processador é um Apple A13 Bionic de seis núcleos de até 2,65 GHz, e entrega o que promete. Além de ajudar no desempenho da bateria e das câmeras, e rodar qualquer vídeo ou jogo em 60 quadros por segundo. Tem 4GB de RAM e quanto ao armazenamento tem opções de 64 GB, 256 GB e 512 GB. Já vem com o iOS 13 instalado, possui reconhecimento facial e suporte para dois eSIM.

Agora o incrível conjunto de câmeras que pra muitos parece um cooktop, mas traz excelentes resultados. Todas as lentes são de 12MP a primeira uma grade-angular com f/1.8 de abertura, a segunda uma lente teleobjetiva e a última é uma ultra wide com 120° de campo de visão e abertura de f/2.4. O software entra aí possibilitando um HDR mais nítido que a Apple chama de Deep Fusion que consiste em tirar várias fotos e sobrepô-las.

As fotos são tiradas em cerca de 2 a 5 segundos e mesmo que algumas saírem tremidas o sistema as descarta na final. Essa inovação entrega uma ótima qualidade inclusive a noite e em locais com pouca luz. E também tem um modo noturno que é novidade nos iPhones. Outra diferença é que as cores não apresentam mudança quando a foto é tirada em outro modo ou com outra lente.

A câmera frontal é de 12MP também, e possui sensores TrueDepth, o conjunto fotográfico permite escanear o rosto do usuário para aplicar máscaras 3D, e fazer o desbloqueio facial, fora também o recurso de Slow Motion. As gravações são em 4K tanto na frontal quanto na traseira.

Ter esse celular é realmente uma experiência única, pra quem pode pagar. Como sempre esse tanto de recursos tem um preço e a Apple também não é uma marca barata. O iPhone 11 Pro Max pode ser encontrado na faixa de 6.650 a 8.800 reais.

Xiaomi Mi 10

A Xiaomi tem investido em aparelhos topo de linha. O Mi 10 é um aparelho que impressionou muito, primeiro por concorrer diretamente com o Galaxy S20 Ultra por ter uma câmera principal com a mesma capacidade, de 108MP.

Ela possui abertura de f/1,69 e consegue tirar fotos completamente nítidas e sem ruído, ate mesmo no modo de visualização de pixels (granulação), o modo noturno pode exagerar quando põe muitas luzes, mas a qualidade não cai. O HDR é um pouco fraco e pode apresentar distorções. Diferente do Mi 10 Pro, o Mi 10 não tem uma lente telefoto, e optou por uma lente macro de 2MP que não foge muito da média de câmeras do tipo.

A terceira é uma ultrawide de 13MP que tem um resultado excelente sem apresentar mudanças gritantes no balanço de branco com relação a câmera principal. A ultima é um sensor de profundidade de 2MP que consegue fazer um desfoque natural sem bordas estranhas ou erradas.

Quanto a design, bem fica na cara que ele é um aparelho topo de linha. Apesar de discreto é um aparelho que é visualmente premium. Ele não tem notch e sim um entalhe em furo que não atrapalha, o conjunto de câmeras traseiro está posto na lateral esquerda na vertical, o que pode causar um estranhamento é que a lente ultrawide está separada do conjunto sendo um agrupamento de três e ela abaixo de todas separada.

O Mi 10 conta com a proteção Corning Gorilla Glass 5. A tela é AMOLED e tem 6,67” com resolução Full HD+. A proporção tela/corpo é de 92,4%. Suporta mídias HDR10+, tem resposta ao toque de 90Hz, e luminosidade 800nits que permite a visualização a pleno sol.

Como esperado para um aparelho do porte o chip é o Qualcomm Snapdragon 865 que dá um excelente desempenho pro sistema. Tem 8GB de RAM e 256GB de armazenamento. O sistema operacional também foi otimizado. O MIUI 11 tem um funcionamento fluído, mas peca ainda com uma poluição de aplicações pré-instaladas, que não atrapalham no funcionamento, mas são em grande parte desnecessárias.

Além de vir com Android 10 e provavelmente suportar mais algumas atualizações pela frente. Sobre a bateria são 4780 mAh que duram um dia com folga. Outro ponto muito bom é que o aparelho suporta carregamento de 30W tanto com fio quanto sem fio, e ainda tem carregamento reverso de 10W.

O preço desse aparelho varia na casa dos 3.300 a 3.900 reais. Esse aparelho ganha com relação ao conjunto. Ele exerce bem todas as funções, o que o põe acima de outros aparelhos topo de linha que priorizam apenas uma aplicação. Então essa é uma opção mais versátil que outros aparelhos.

Huawei P40 Pro

A Huawei vem entrando no mercado com tudo e esse ano veio a linha P40, que a gente vai destacar só um deles, o P40 Pro. Esse é um aparelho bem diferente quanto ao design.

Primeiro, sua estrutura tem as laterais curvadas e nos cantos as bordas são levantadas, isso tem uma função prática de limitar a água que possa cair na tela por possuir certificação IP68 água e poeira. Esse formato também facilita a pegada, as laterais são de alumínio e o corpo em vidro. A tela é AMOLED e tem 6.58” e resolução de 2640×1200 pixel. São 440nits de brilho sustentado que não é muito, porém é o suficiente para ver a tela mesmo no sol. A resposta ao toque é de 90Hz.

Uma das maiores mudanças com relação a outros modelos da Huawei é a área do sensor de digital, que é diretamente no display. A área aumentou 30% o que significa 30% mais rapidez ao desbloquear o dispositivo. O desbloqueio facial também foi otimizado já que existe um sensor de infravermelho na parte frontal, o que permite que o desbloqueio seja feito mesmo em locais com pouca luz.

bateria é de 4.200mAh que devido ao hardware pode durar um dia ou mais dependendo do uso. O carregamento é turbo de 40W com fio, 27W sem fio e 27W no carregamento inverso.

O Chipset é um Octa-core HiSilicon Kirin 990 5G, para uma comparação esse chip é bem parecido com o Snapdragon 855 com relação a CPU e um pouco inferior com relação a GPU. Ele pode rodar facilmente qualquer aplicação inclusive jogos 3D pesados com os gráficos no máximo.

Quanto a memória a RAM é de 8GB que não é a maior do mercado, mas graças ao software da Huawei é bem otimizado. O armazenamento é de 256GB

Uma infelicidade dos aparelhos da Huawei é não vir com nenhuma aplicação do Google, existe um alternativo instalado no aparelho O Huawei Mobile Services (HMS) que terá todas as aplicações usuais como e-mail, navegação web, mapas e outros. Mas para instalar aplicativos como o WhatsApp, Instagram, YouTube, Twitter, Netflix podem ser baixados via APK (que é o método mais eficiente, mas sem certeza de que vai funcionar) ou em outras lojas de aplicativo.

O ponto mais notável desse aparelho são as câmeras, que ficam num conjunto traseiro bem chamativo. O desempenho também é, já que são quatro lentes traseiras sendo a principal com 50MP ultra-vision, abertura de f/1.9 e com estabilização ótica. Essa abertura tão grande permite uma visão a noite nunca antes vista em um smartphone.

A segunda é uma ultrawide de 40 MP com f/1.8 de abertura. A terceira é uma lente periscópica (telefoto) de 12MP com zoom ótico de 5x. Temos também o ToF 3D que consegue perceber a profundidade. O hardware ajuda muito na capacidade das câmeras sendo o HDR otimizado e não apresenta nenhuma falha regular.

A câmera frontal também é um espetáculo. São 32MP que cria um resultado muito bom, tal qual o conjunto traseiro. O foco é com infravermelho o que o faz ser bem rápido e eficiente, da mesma forma o modo retrato que não some com alguns fios de cabelo e nem deixa as bordas embaçadas. O modo “embelezamento” presente em alguns aparelhos aqui não é temido, já que quando ligado não deixa a aparência artificial.

Esse é um aparelho incrível e completo, apesar da falta da Google é um dos telefones mais avançados no mercado e pode ser encontrado na faixa de R$4.500.

Xiaomi Black Shark 3 Pro

Esse vai direto para os gamers. Black Shark 3 Pro foi desenvolvido pensando em atender uma demanda crescente que é a dos jogos mobile. Como é comum em aparelhos assim, as câmeras não são lá isso tudo mas conseguem satisfazer, A principal é de 32MP, a segunda ultrawide de 13MP e um sensor de profundidade de 5MP.

A câmera frontal é de 20MP e quase imperceptível pra não atrapalhar a tela. Falando da tela, modelo Pro tem uma tela enorme de 7,1” que pode ser um pouco desajeitado para o uso na vertical do dia-a-dia, mas é excelente para jogar. A resolução é QHD (1440 x 3120). A tela é do tipo OLED que traz cores vibrantes e é o esperado para um celular desse preço.

A taxa de atualização é de 90Hz e a de resposta ao toque de 270Hz a 24ms.
Os autofalantes são frontais e apresentam um alto desempenho. Além de ter entrada 3,5mm para fone. Quanto a design, smartphones para jogos sempre são um pouco exagerados.

Na traseira a logo da Black Shark é uma iluminação RGB personalizável. Ele tem duas placas em um formato quase triangular uma tem o conjunto de câmera e o outro o plug do carregador magnético. O ponto mais destacável (literalmente) do aparelho são seus botões de orelha que ficam na lateral direita (ou na parte superior quando na horizontal).

Esses “master bottons” aquentam até 1 milhão de pressionamentos e são personalizáveis. Com um simples comando na tela os botões saem do corpo e nas configurações do exclusivo software Shark Space 3.0 n aparelho você pode configurar a função dos botões para cada jogo.

Pra ter maior eficiência o Black Shark 3 Pro, conta com um processador Snapdragon 865 com conexão 5G, junto com 8 ou 12 GB de RAM e armazenamento UFS 3.0 veloz. O armazenamento é de 256GB. O sistema de refrigeração “Sandwich Liquid Cooling” não deixa que o aparelho aqueça muito e permite que o alto desempenho dure por muito mais tempo. Esse conjunto permite que se tenha uma experiência quase de um console no seu celular.

A bateria tem capacidade de 5.000mAh que em termos práticos dura um dia já que o processador e o sistema de resfriamento exigem um consumo maior. Mas você pode carregar ele rapidinho com o carregador de 65 W que promete 50% de carga em 15min carga completa em 40min. Ele também tem um suporte para carregador magnético na parte traseira de 18W o que permite que o jogo continue sem o incômodo cabo na lateral.

Esse aparelho tem um desempenho e um design específicos para jogar, o que afasta ele de compradores que querem um celular mais “usual”. Mas se você está procurando um celular para jogar, eis aqui a melhor opção. Você pode comprar esse monstro por R$5.500.

Motorola Edge Plus

A Motorola já estava fora do mercado dos top de linha a um tempo e agora ela volta com o Edge Plus, que promete ser o primeiro celular 5G do Brasil. O nome já diz uma das características do produto. A tela é bem curvada nas laterais e tem 6,7” e tecnologia OLED e taxa de atualização de 90Hz que não afeta o desempenho da bateria.

A capacidade da bateria é de 5.000mAh tem carregamento turbo de 18W carregamento sem fio de 15W e carregamento reverso de 5W. O áudio é acima da média para qualquer celular e pode alcançar até os volumes mais altos sem distorcer. Esse aparelho ainda possui entrada P2.

O sistema operacional é o Android 10 que traz as customizações da marca, como o moto gametime, os atalhos, já conhecidos, para ativas a câmera e a lanterna, e atalhos customizáveis na lateral. Diferente do que se pode pensar não ocorre o acionamento acidental da lateral o que é muito positivo já que é onde vamos segurá-lo. Agora o 5G que é o que torna esse aparelho atrativo.

Ele tem suporte 5G por ter um processador Snapdragon 865 com o modem Snapdragon X55. O problema está em que esse modem suporta apenas redes com frequências abaixo dos 6GHz e as primeiras redes 5G do país serão na faixa dos 26GHz, e não terá suporte para as redes com tecnologia de compartilhamento dinâmico de espectro (DSS).

E estranhamente o Moto Edge, que é a versão mais acessível, possui suporte para essas redes. A Motorola se superou nas câmeras. A lente principal é uma wide de 108MP e abertura de f/1.7, que é a mesma lente do S20 Ultra. Uma ultrawide de 16MP. A terceira é uma telefoto de 8MP com zoom ótico de 3X e por ultimo um sensor ToF (tempo de voo).

Esse conjunto é bem eficiente inclusive a noite é possível tirar fotos boas. Quanto ao vídeo ele grava apenas em 6K a 30fps. A câmera selfie tem 25 megapixels e abertura f/2,0. Apresenta uma boa nitidez apesar dos ruídos em áreas escuras, e tem foco fixo.

Com relação ao conjunto esse aparelho é satisfatório, mas peca em detalhes como o 5G, a filmagem, e não ter certificação IP. Ele é um aparelho caro que chegou no mercado por volta dos 6.500 reais.

Samsung Galaxy S20 Ultra

Se tamanho for documento temos aqui o melhor de todos. O S20 Ultra tem uma tela gigante de 6.9” com um aproveitamento de tela muito bom. Ele é a prova d’água e poeira com um corpo de Gorilla Glass 6. O display é um Dynamic AMOLED com resposta de 120Hz que precisa ser ativada nas configurações.

O sensor de digital é na tela e tem uma velocidade de reconhecimento rápida podendo reconhecer a digital até com a mão molhada. Esse modelo não tem mais a entrada P2, mas vem com um fone AKG com entrada USB-C.
O software da Samsung presente aqui é o One UI 2.1 compatível com Android 10.

Essa interface consegue ter uma fluidez ao navegar, e principalmente dispõe os itens de forma que seja fácil acessar com uma mão só apesar de o aparelho ser enorme. Outra novidade é que a Bixby agora está em português Brasil. O processador presente no S20 Ultra é o Exynos 990 que tem um bom desempenho independentemente da situação.

A bateria é de 5.000mAh que aguenta bem as exigências do dia-a-dia contanto que não esteja usando o modo de tela em 120Hz já que isso consome bastante energia.

As câmeras são um grande destaque e o próprio design demonstra isso com um bloco retangular na traseira do celular que é bem chamativo. São três câmeras a principal é de 108MP que, apesar do número grande trabalha num sistema de associação de nove pixels pra tornar a imagem mais nítida, o que dá na prática fotos de 12MP, porém com uma qualidade espantosa.

O aparelho promete até 100X de zoom o que na prática não funciona muito bem. A lente responsável por isso é uma telefoto de 48MP com zoom ótico de 4X e pode aumentar até 10X sem perdas. A terceira lente é uma ultrawide de 12MP e também tem uma lente ToF para ajudar na percepção de profundidade.

O modo noturno dessa câmera é incrível e se mostra eficiente a maioria das vezes. A câmera frontal é de 40MP com capacidade de 10MP e também possui sensor ToF.

Esse sem dúvida é um celular completo. Apesar das falhas ele não deixa a desejar pra um celular do porte e é nítido ver os avanços da área espelhados no S20 Ultra. Esse aparelho pode ser encontrado por 6.200 reais

Asus ROG Phone 3

A linha ROG da Asus prioriza os jogos, mas o ROG Phone 3 possui todas as características que alguém possa buscar num aparelho, já que ele bateu o recorde de desempenho chegando a 646.310 pontos no AnTuTu.

E não é pra menos já que o ROG Phone 3 possui o processador Snapdragon 865 Plus e 16GB de RAM LPDDR5 com 512GB de armazenamento na versão mais potente. Além de um sistema de resfriamento GameCool 3 para maior tempo de jogo.

A bateria tem impressionantes 6.000mAh com carregador turbo de 30W, que prometem em média 9 horas em jogos pesados como PUBG e Call of Duty Mobile, que é mais que qualquer um dos concorrentes.

A tela possui tecnologia AMOLED de brilho de 1.000nits com 6,59” e resolução Full HD+. A taxa de atualização é de 144Hz e taxa de amostragem de 270Hz que supera, de novo, todos os concorrentes, e possui também suporte de mídias HDR10.

Possui também suporte para redes 5G e um software para se conectar a melhor rede. O design é também voltado para a temática dos games. Na parte traseira tem a marca em RGB do Republic of Gamers.

Outro recurso interessante AirTrigger 3 que são as laterais com sensores ultrassônicos para simular os botões L e R do controle. Esses botões são personalizáveis e reconhecem movimentos mais suaves e movimentações longitudinais.

São dois em cada lateral além dos sensores de movimento ao agitar o celular. Também conta com uma serie de acessórios, para resfriamento, telas, fones e outros.

As câmeras desse dispositivo não são seu destaque, mas não decepcionam. São três sensores traseiros, sendo a lente principal de 64MP com abertura de f/1,8, uma ultrawide de 13MP com 125° de campo de visão, e uma lente macro de 5MP. A câmera frontal tem 24MP.

Ele também apresenta os recursos de NFC, a versão 5.1 do Bluetooth e o sensor digital é localizado na tela. A saída do USB-C é localizada na lateral para não atrapalhar o jogo. Não tem entrada P2.

Ele também conta com quatro microfones e dois alto falantes estéreo que prometem um som imersivo e nítido. O ROG Phone 3 foi desenvolvido para jogos mais suas especificações o tornam bom para qualquer um. O preço desse aparelho gira em torno dos R$4.000.

Samsung Galaxy Note 20 Ultra

O nosso primeiro lugar é o conjunto mais completo e eficiente do mercado. O Note 20 Ultra consegue impressionar primeiro por seu design que é lindo, o vidro fosco na traseira além de ser dar um ar elegante evita deixar marcas de digital.

A tela é curva e tem 6.9”, com tecnologia AMOLED com proteção Gorilla Glass 7 e resolução Quad HD+. A taxa de atualização pode chegar a 120Hz, mas para aplicações mais simples, como ler um ebook, pode ser de 10Hz. A S Pen também teve modificações positivas.

A latência da caneta foi reduzida o que aumentou o atraso de forma insignificante, mas permite que a escrita seja mais natural. A caneta é bluetooth o que permite que sejam feitos gesto com ela no ar para voltar, abrir outras telas ou aplicativos recentes e agora também tirar prints.

O Samsung Notes foi atualizado para atender melhor os usuários. Entre as mudanças estão a possibilidade de converter textos manuscritos em texto digital, a organização em pasta foi otimizada, é passive fazer anotações em PDFs e tem melhor conectividade com dispositivos de interface Windows. O modo DeX, que transforma o celular em um desktop, agora é wireless.

Ele exibe uma interface com janelas flutuantes em qualquer TV compatível com Miracast ou Samsung Smart View, sem precisar de cabos. O processador do aparelho que virá pro Brasil é o Exynos 990 da própria Samsung de até 2.73GHz. São 12GB de RAM e 512GB de armazenamento expansível de até 1TB.

A versão Android é A 10. Esse aparelho possui conexões 5G sub-6 e 5G DSS, com compartilhamento dinâmico de espectro, além de um chip ultra-wideband (UWB) que facilita o compartilhamento de dados com outros celulares compatíveis e permite usar o aparelho como chave do carro, da casa ou de catracas.

Sobre a bateria, são 4500mAh, não é a maior do mercado, mas apresenta um desempenho excelente considerando o processador e a tela que consomem muita bateria. As câmeras também são um espetáculo.

A principal é uma wide de 108MP, uma ultra wide de 12MP e uma telefoto de 12MP. Também tem um sensor periscópico para zoom ótico de 5X e híbrido de 50X. A frontal é de 10MP. O foco é laser e não por sensor ToF o que ajuda na visibilidade noturna é mais útil em aplicações do dia-a-dia.

Esse é sem dúvida o top dos tops já que consegue a excelência em todos os quesitos. Um grande smartphone, em todos os quesitos, inclusive o preço também. Ele chega ao país numa faixa de R$ 7.200.

3 comentários em “Qual é o melhor celular de 2021? Veja a lista dos Top 10”

  1. Pingback: 10 Redes Sociais Para Você Conhecer e Ficar de Olho em 2021 - Blog da Forcetech

  2. Pingback: 11 melhores apps para ganhar dinheiro em 2021 - Blog da Forcetech

  3. Pingback: Saiba como recuperar áudio apagado do WhatsApp - Blog da Forcetech

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima